Arquivo para coracao

Respire

Posted in Poesia with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 21/outubro/2013 by Ernesto de Souza

Respire.

Conte até dez e respire.

O ar entre nos pulmões, ar puro de verdade.

O coração aos poucos começa e descer para o peito.

Seu lugar é ai e não em minha garganta.

Os batimentos cardíacos se normalizam.

Se desligue.

Você está sozinho, mas esta não é sua caverna.

Um dia de cada vez, respire.

Consegue sentir o sangue fluindo?

Você esta vivo.

Isso não parece ser suficiente.

Espere, algo está diferente.

O ar, o ar já não é tão puro.

Os pulmões ardem, o coração volta para a garganta.

O ar está impregnado por aquele perfume.

Aquele cheiro é único.

Achei que nunca mais o sentiria tão perto.

Procurar ou se esquivar?

Não é preciso, ela caminha em sua direção.

Um abraço. Bom te ver.

Como você está?

Imóvel ele não responde.

Terra chamando.

Oi?

Onde estava?

Perdido em seus olhos.

Bobo.

Você continua linda.

Pare.

Tem coisas que não mudam.

Pois é, mas tenho que ir.

Apareça mais vezes, não deixe por conta do destino.

A gente se fala.

Posso te ligar?

Sempre.

Os Funerais do Coelho Branco

Posted in Citações with tags , , , , , , , , , , on 19/janeiro/2013 by Ernesto de Souza

E se eu disser que eu nunca sei mesmo a direção?

E se eu disser que toda vez que eu achei que ia acertar eu na verdade só arrisquei?

Você ainda ia querer?

Diz.

Eu seria ainda o que sou para você?

E se eu disser que eu nunca soube nada de minha vida, que eu sempre deixei tudo passar por mim e as vezes ia, as vezes não ia, dependendo do gosto do café.

Você ia querer?

Será que ia mesmo?

Nenê Altro

Silencioso

Posted in Poesia with tags , , , , , , , , on 8/abril/2012 by Ernesto de Souza

O quarto era escuro, mas era possível ver claramente seu sorriso, a luz da lua ou de alguma iluminação artificial.

Ele colocou o indicador em sua testa e correu pelo seu rosto, seus lábios, seu pescoço. Podia ouvir ao longe o eco das batidas do seu coração.

Ele envolveu seus braços naquele corpo frágil que tremia disfarçadamente, a virou e desceu junto com o zíper do vestido, subiu deslizando em suas costas, parou em seu pescoço, a desvirava sem descolar seus lábios da sua pele macia.

Ela deixou seu vestido cair no chão e se deitou, ele tirou a camisa, se aproximou, beijou sua barriga, subiu passando por entre seus seios, e novamente parou em seu pescoço.

Ela moveu as pernas, seu salto alto lhe arranhou levemente, e com as pernas o prendeu e o apertou contra seu corpo, de onde ele nunca deveria ter saído.

Se eu não consegui dormir, então não pode ser um sonho…

Posted in Poesia with tags , , , , , , , , , , , , , on 16/novembro/2011 by Ernesto de Souza

Ele estava sentado na cama, com seus pés descalços tocando o chão frio, os cotovelos apoiados nos joelhos, o cigarro em seus dedos queimava sem ser levado a boca. Na mesa a sua frente o gelo do copo derretia tornando a bebida suave de mais para aquele momento. Ao lado do copo o celular vibrava e o som da vibração sobre a madeira parcialmente destruída por cupins, era uma mórbida trilha sonora.

Abaixo do cabelo despenteado um olhar sem foco, abaixo do olhar sem foco uma boca seca, abaixo da boca seca uma camisa amassada pela tentativa de dormir algumas horas antes.

E quando o cigarro imóvel estava prestes a queimar seus dedos, a porta se abriu, a luz invadiu o quarto ofuscando temporariamente sua visão, o cigarro caiu no chão de madeira já apagado e em cinzas.

A porta se fechou, a escuridão novamente tomou conta do quarto, e quando recuperou sua visão, ele estava deitado em sua cama sendo beijado sem delicadeza, sua camisa amassada agora estava jogada no chão ao lado de um vestido que não estava ali quando ela chegou.

E aquela mistura de beijos e abraços, e o toque da sua pele clara por falta de sol, contrastando com a maciez da pele dela, aquele momento pele com pele, poderia ter passado minutos ou horas, ele nunca saberia precisar.

Ela se levantou, não se vestiu, caminhou até a mesa, pegou a garrafa com o resto da bebida e tomou em apenas um gole, devolveu a garrafa agora vazia e caminhou até a porta.

Com um sorriso tímido no rosto, ele a observava caminhar, e quando saiu do quarto deixando a porta entre aberta, ele sentiu no sangue que seu coração ligeiramente bombeava com menos velocidade que minutos atrás, a certeza de que ela voltaria.

Posted in Devaneios with tags , , , , on 20/abril/2011 by Ernesto de Souza

Quando inventarem a cura para o Amor, descongelaremos nossos corações.

Posted in Devaneios with tags , , on 11/novembro/2010 by Ernesto de Souza

Me deixa curtir um pouco mais a minha ilusão,  não enfie está faca em meu coração, ainda não…