Arquivo de abraco

Respire

Posted in Poesia with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 21/outubro/2013 by Ernesto de Souza

Respire.

Conte até dez e respire.

O ar entre nos pulmões, ar puro de verdade.

O coração aos poucos começa e descer para o peito.

Seu lugar é ai e não em minha garganta.

Os batimentos cardíacos se normalizam.

Se desligue.

Você está sozinho, mas esta não é sua caverna.

Um dia de cada vez, respire.

Consegue sentir o sangue fluindo?

Você esta vivo.

Isso não parece ser suficiente.

Espere, algo está diferente.

O ar, o ar já não é tão puro.

Os pulmões ardem, o coração volta para a garganta.

O ar está impregnado por aquele perfume.

Aquele cheiro é único.

Achei que nunca mais o sentiria tão perto.

Procurar ou se esquivar?

Não é preciso, ela caminha em sua direção.

Um abraço. Bom te ver.

Como você está?

Imóvel ele não responde.

Terra chamando.

Oi?

Onde estava?

Perdido em seus olhos.

Bobo.

Você continua linda.

Pare.

Tem coisas que não mudam.

Pois é, mas tenho que ir.

Apareça mais vezes, não deixe por conta do destino.

A gente se fala.

Posso te ligar?

Sempre.

No Palco

Posted in Poesia with tags , , , , , , , , , , , on 9/fevereiro/2010 by Ernesto de Souza

No palco somos atores. E atores não fingem sentimentos, atores sentem os sentimentos dos outros e os transmitem, e ás vezes os próprios atores acreditam nestes sentimentos.

Um convite bastou para que eu entrasse em seu mundo de fantasia… Mas minha vida não é um romance e sim um drama que nem eu entendo. Talvez por isso aquele abraço no palco com o teatro vazio, depois que as luzes se apagaram e a cortina se fechou, me marcou tanto, porque ali não era eu, era quem eu gostaria de ser.