Arquivo de junho, 2016

Posted in Devaneios on 14/junho/2016 by Ernesto de Souza

Ó tu, severo musgo, que cresces na parede do meu coração,

tão vazio de amor e tão cheio de solidão.